Exercício físico ajuda na prevenção da gripe!

Poucas são as oportunidades em que a prática regular dos exercícios físicos se coloca como prejudicial a uma pessoa. Na maioria dos casos, pelo contrário, se movimentar constantemente pode gerar uma série de benefícios tanto aos indivíduos que deixaram o sedentarismo recentemente, como também àqueles que já são mais experientes quando o assunto trata da busca por um melhor condicionamento físico. No específico caso da gripe, no entanto, a regra é um pouco diferente.

Em primeiro lugar, é necessário destacar que a prevenção da gripe só é otimizada através da prática regular de atividades físicas. Isto é, as pessoas que realizam exercícios com constância e frequência têm menos chances de adquirirem gripe justamente por prezar por um organismo mais imune ao vírus. Tecnicamente, a intensidade dos treinos pode acontecer ao longo de 150 minutos na semana que, ainda assim, é possível que o vírus não ataque os adeptos dos exercícios com mais força.

“Já estou gripado. Devo praticar atividades físicas?”

Para a prevenção das gripes, os exercícios são altamente indicados. No entanto, aos organismos já contaminados com o vírus causador da doençae, a prática regular das atividades não é muito recomendada. O que baliza esta teoria são os próprios discursos dos médicos e nutricionistas, que alegam assertivamente que, a partir do momento em que o corpo do atleta se encontra em maior estado de vulnerabilidade, é natural e recorrente que essa pessoa apresente problemas físicos e/ou respiratórios ao longo das práticas dos exercícios.

Sendo assim, toda e qualquer prática física deve ser acompanhada simultaneamente por um profissional ligado ao meio da nutrição e, ainda por cima, por um médico responsável pela análise do real estado de saúde do atleta. Junto a eles, a figura do Personal Trainer também é importante. Aliás, é através dessa completa integração profissional que os melhores resultados físicos tendem a ser alcançados.

Como aliar atividades físicas e a suspeita de gripe suína

A gripe suína é uma das mais fortes e desgastantes espécies de gripe encontradas no Brasil ao longo dos últimos anos. Em se tratando única e exclusivamente deste início de 2018, inclusive, o mal já interferiu na saúde de diversas pessoas (sejam elas atletas ou sedentárias). Assim sendo, é natural que vários desses indivíduos acabem se perguntando se a prática da atividade física regular é benéfica ou maléfica nos casos de identificação da detenção do vírus H1N1 no organismo.

Logo de cara, a regra para toda e qualquer conduta física que se integre ao combate da H1N1 em muito se assemelha aos trabalhos realizados pelos atletas em comparação às ações de combate a gripe convencional. Isto é, como prevenção, os exercícios são mais do que recomendados.

Por outro lado, a partir do momento em que o vírus se instalar no organismo, a indicação médica e racional é a de que o atleta deixe de praticar os exercícios físicos por questões de vulnerabilidade e outras consequências naturais desse processo. Ou seja, atenção nunca é demais quando você se deparar com uma situação de estar gripado, mas, ainda assim, querer dar sequência aos seus treinamentos. Respira fundo!